Usar estas frases dá-te uma má reputação

Não é de forma inocente que qualquer grande líder atribui à comunicação um papel de destaque entre os pilares que contribuem para o desenvolvimento de uma boa equipa. A escolha de palavras errada pode estar na origem de múltiplos problemas - não só de uma má transmissão e perceção dos problemas com os quais lidamos diariamente, mas também no deterioramento das relações entre colegas ou parceiros e, consequentemente, da tua própria imagem enquanto trabalhador.

É por isso que, em ambiente corporativo, uma boa escolha de palavras acaba por assumir uma importância ainda mais fulcral. Pessoas diferentes interpretam algumas expressões de maneiras diferentes, mas existem frases que reúnem consenso quanto ao negativismo a que estão associadas. Em excesso, ou quando usadas em situações inapropriadas, podem contribuir para prejudicar a tua imagem enquanto colaborador de uma organização, algo que certamente quererás evitar a todo o custo.

Este artigo serve precisamente para te ajudar a perceber melhor alguns exemplos destas expressões. Queremos que te coloques do lado do interlocutor e analises a impressão com que o mesmo pode ficar ao interpretar de forma errada aquilo que acabaste de dizer. Não custa muito ter em atenção este tipo de pormenores, e evitar as frases que vamos explorar já de seguida. Em suma, não utilizes estas frases no teu emprego!

“Mas sempre fizemos isto assim”

Pode ser relativamente fácil cair na tentação de lançar esta frase para o ar, num momento em que alguém parece querer mudar um dogma de produtividade que seguias há algum tempo. No entanto, a armadilha é bastante óbvia. Trata-se do tipo de frase que de vai rotular de imediato como alguém que está preso ao passado – um colega pouco flexível e com uma mente fechada.

Em vez disso, experimenta uma abordagem mais tolerante. Algo como “é uma ideia interessante, vamos analisar as vantagens e desvantagens”. Quem sabe se não te vais surpreender.

 “Eu acho que…”

A insegurança está espelhada nesta frase. Afinal de contas, não transmitias muito mais autoridade se tivesses optado por algo como “Considero que…”, ou “Na minha opinião…”?

Ainda que no fundo a mensagem transmitida acabe por ser a mesma, o invólucro em que ela chega aos restantes colegas/clientes é essencial para moldar a sua reação. Em muitas situações, a alteração destes pequenos detalhes é suficiente para conseguires convencer o teu interlocutor com uma determinada ideia ou visão.

 “Vou tentar”

São duas palavras simples, mas que podem ser interpretadas de uma forma bastante negativa. No fundo, porque refletem a possibilidade de um falhanço em resposta a um pedido que outro colega te fez. Caso se trate de uma tarefa realmente importante e que não pode deixar de ser feita, esse colega continuará a sentir a necessidade de a terminar por ela própria, já que o teu “vou tentar” pode implicar que a tarefa continua por realizar.

Se queres causar uma melhor impressão nos teus colegas, clientes e superiores, deves optar por uma abordagem que espelhe mais a tua vontade de realmente corresponder ao pedido que te foi feito.

“Devias ter feito…”

Até podes ter toda a razão do mundo e estar com vontade de confrontar um colega por este não ter realizado uma tarefa como era suposto. Mas esta abordagem vai despoletar uma sensação considerável de acusação ou atribuição de culpas desnecessária naqueles que te rodeiam.

Outra forma de passares a mesma mensagem de uma forma muito mais correcta pode passar por dizeres algo como “Se voltares a estar nesta situação, certifica-te de que…” ou “Da próxima vez, talvez queiras fazer…”.

“Se calhar estou enganado, mas…” / “Isto pode ser uma má ideia, mas…”

Tal como o “Eu acho que…”, sobre o qual falámos anteriormente, este tipo de frases também só contribuem para te descredibilizar. Em termos práticos, a própria forma como estás a expor as tuas ideias diminui o impacto das mesmas.

O pensamento chave é ser mais assertivo em tudo o que dizes. Mesmo que possas ter uma ideia contrária ao resto da sala, não deixes que o teu próprio discurso diminua a sua importância.

“Estou demasiado ocupado”

Até pode ser verdade, mas responderes a alguém deste modo não te trará qualquer tipo de vantagem, antes pelo contrário. Ninguém gosta de se sentir ignorado ou menos importante, seja porque motivo for.

Dessa forma, experimenta substituir essa combinação de palavras por algo mais concreto, que te faça parecer disponível, ainda que não seja logo nesse exacto momento. Um exemplo pode ser: “Tenho todo o prazer em discutir isto contigo depois da reunião que tenho agendada para esta manhã. Posso contactar-te assim que terminar?”.