Tudo o que tens de saber para escrever uma Carta de Motivação

Queres receber mais dicas-ninja deste género? Temos conteúdo para gente dinâmica e activa como tu. Sabe mais aqui.

Aliadas ao tradicional CV, as Cartas de Motivação constituem um instrumento importante de análise de candidatos para uma determinada vaga em aberto. Provavelmente, trata-se do documento mais personalizado no processo de candidatura e é uma oportunidade para dares voz às razões que te levam a considerares-te a pessoa mais adequada para o cargo, enquanto demonstras toda a tua motivação.

Trata-se de uma forma simples de o recrutador criar um primeiro contacto, e inevitavelmente causará uma impressão positiva ou negativa em função da qualidade do documento que apresentares.  De uma forma sucinta, é útil para os departamentos de recursos humanos na medida em que permite fazer uma primeira triagem em busca de trabalhadores cujas ambições vão de encontro às da empresa em causa.

Ainda que no fundo não seja um documento difícil de construir, pode causar algumas dores de cabeça aos estudantes menos preparados, ou com menos dotes para a escrita. Qual é a extensão ideal? Que tom utilizar? A quem me devo dirigir? São algumas das questões que vamos abordar ao longo da curta – mas útil - lista que se segue.

Queres receber mais dicas-ninja deste género? Temos conteúdo para gente dinâmica e activa como tu. Sabe mais aqui.

Dicas para a tua primeira Carta de Motivação

• Começa por dirigir-te a uma pessoa em particular e não à empresa em si.

• Essa pessoa deverá ser responsável pelo recrutamento em questão ou pelo departamento de recursos humanos.

• Procura optar por um discurso formal. Assim, expressões como “acho” ou “talvez” poderão ser descartadas à partida. Apesar disso, lembra-te também de não utilizares vocabulário excessivamente elaborado.

• Tal como num currículo, é fulcral que não contenha nenhum tipo de erro ortográfico ou gramatical. A ocorrência deste lapso pode transmitir de imediato uma imagem de pouco profissionalismo ou desleixo.

• Quanto à forma: opta por uma letra tamanho 12 que abranja todo o texto. Utiliza um espaçamento entre linhas de 1,5 pontos – este pormenor fará com que o entrevistador tenha oportunidade de tirar apontamentos e sublinhar com maior facilidade.

• Não cometas o erro de fazer da Carta de Motivação uma repetição do que já consta no teu CV.

• Aproveita para especificar decisões importantes, ou relatar episódios em que conseguiste pôr as tuas capacidades em prática.

• Descreve as caraterísticas que fazem de ti a pessoa ideal para o cargo, ou que te podem fazer destacar dos restantes candidatos.

• Não deve ser demasiado extensa. O tamanho ideal do texto deverá rondar as 500 palavras, com meia dúzia de parágrafos e nunca mais do que uma página. Dessa forma, torna-se essencial apostar num discurso direto e simples, que descreva o que o entrevistador procura saber.

• A Carta deve incluir informação relevante para o empregador. Mas no texto, podes também fazer referências a algumas das tuas soft-skills, como a capacidade de trabalhar sob pressão ou o gosto pela cooperação em equipa.

• Utiliza o negrito para dar maior ênfase a alguns excertos mais relevantes.

Queres receber mais dicas-ninja deste género? Temos conteúdo para gente dinâmica e activa como tu. Sabe mais aqui.