As vantagens e desvantagens do café

De uma forma ou de outra, o café faz parte do vocabulário de todo e qualquer estudante. Firme acompanhante de pequenos-almoços, fiel aliado durante as aulas mais entediantes e leal companheiro das madrugadas de estudo. O elevado consumo de café entre os membros da comunidade estudantil é um facto quase adquirido, e basta fazer uma rápida visita a qualquer faculdade para verificar que o número de máquinas de café o comprova.

Ainda assim, como acontece com qualquer outro estimulante, o consumo da cafeína está associado a uma série de vantagens e desvantagens, mais ou menos conhecidas por aqueles que todos os dias se rendem a uma nova chávena de café. Uma única chávena de café tem um efeito de absorção extremamente rápida e pode preencher toda a corrente sanguínea em menos de 20 minutos. A substância pode manter-se no organismo durante 12 horas, razão pela qual podes ter dificuldade em adormecer se beberes café depois da hora de almoço.

A lista destas pequenas curiosidades associadas ao efeito que o café pode ter no nosso corpo estende-se por vários parágrafos. Umas melhores, outras piores, estas influências têm efeitos práticos e foi precisamente para explorar um pouco esse segundo plano científico da substância que elaborámos a lista que se segue. Confere as vantagens e desvantagens do café.

Faz-te sentir mais desperto.

O principal efeito do café não poderia deixar de coroar esta lista. A sensação extra de vigília que o café induz no nosso cérebro deve-se ao facto de a cafeína simular o processo de libertação de uma molécula chamada adenosina, que é responsável por reduzir a atividade motora, diminuir a frequência respiratória e principalmente, induzir o sono. Com o seu efeito a ser imitado pela cafeína, as moléculas reais acabam por não cumprir totalmente o seu papel, deixando o corpo no estado mais alerta.

Aumenta o teu grau de irritabilidade

A cafeína estimula as células cerebrais que são responsáveis pela gestão da resposta corporal em situações de stress, estando associada à adrenalina. Por seu lado, a adrenalina acaba por ter efeitos indesejados em situações que não exijam uma resposta do género “lutar ou correr”. Assim, apesar de apurar os sentidos e nos deixar prontos para começar a correr, a adrenalina também é responsável por um aumento do grau de ansiedade e irritação.

Melhora o teu estado de espírito.

Para além da sua componente social e do seu sabor, uma chávena de café também pode melhorar o teu estado de espírito através de processos explicados ao nível biológico. Ao criar o efeito descrito no ponto anterior, a cafeína abre espaço para a libertação de outros estimulantes naturais produzidos pelo nosso cérebro (como a dopamina e a glutamina), fazendo com que te sintas muito menos apático e mais entusiasmado.

Pode provocar azia

Ainda que o sabor do café possa agradar muitos consumidores, a sua ingestão também está relacionada com o aumento do grau de acidez do estômago.  Em casos particulares, o consumo de café pode até mesmo estar associado a uma sensação de azia.

Melhora a tua memória.

Ainda que involuntariamente, muitos estudantes podem estar a usufruir de outro tipo de efeitos do café durante as suas sessões de estudo. Vários estudos mostram uma relação entre o consumo de cafeína e a capacidade para decorar e assimilar informação mais facilmente.

Mantém-se no corpo durante demasiado tempo

Se já estiveste deitado na cama a tentar adormecer enquanto te questionas se ainda estás sob o efeito daquele copo de café a meio da tarde, isto poderá elucidar-te: os efeitos da cafeína no corpo humano perduram durante cerca de 6 horas após a ingestão.

Aumenta a tua concentração.

Para além de te deixar mais desperto, a cafeína também desenvolve um importante papel no aumento do nível de concentração na tarefa que tens entre mãos. Apesar disso, como todos os estimulantes, uma dose demasiado elevada poderá acabar por verificar o efeito contrário, deixando-te num estado em que acabas por não conseguir ser produtivo.

Desenvolve um papel aditivo

Por fim, resta abordar aquele será, muito provavelmente, o ponto menos positivo da ingestão de cafeína. Para alguém que já esteja dependente do consumo de café, todos os efeitos positivos enunciados no início deste artigo podem, na realidade, não ser mais do que um retorno aos padrões normais do ser humano, que tinham baixado pela ausência de cafeína no corpo e são repostos pelo consumo desse elemento.